Martelada

 

Um navio carregado de ouro atravessava o oceano quando, de repente, o motor enguiçou. Imediatamente, o comandante mandou chamar o técnico do porto mais próximo. Ele trabalhou durante uma semana, porém sem resultados concretos. Chamaram então o melhor engenheiro naval do país.

O engenheiro trabalhou três dias inteiros, sem descanso, mas nada conseguiu.

A empresa proprietária do navio mandou buscar o maior especialista do mundo naquele tipo de motor. Ele chegou, olhou detidamente a casa de máquinas, escutou o barulho do vapor, apalpou a tubulação e, abrindo uma valise, retirou um pequeno martelo. Deu uma martelada em uma válvula vermelha que estava meio solta e guardou o martelo de volta na valise. Mandou ligar o motor e este funcionou na primeira tentativa.

Dias depois, chegaram as contas ao escritório da empresa de navegação: por uma semana de trabalho, o técnico cobrou R$700,00; o engenheiro naval cobrou por três dias de trabalho R$900,00; já o especialista, por sua vez, cobrou R$10.000,00 pelo serviço.

Atônito com o valor da conta, o diretor financeiro da empresa enviou um telegrama ao especialista, perguntando:

- Como você chegou a esse valor de R$10 mil reais por cerca de 1 minuto de trabalho e uma única martelada?

O especialista enviou os seguintes detalhes de cálculo à empresa:

"Por dar uma martelada - R$1,00

Por saber onde bater o martelo - R$9.999,00"

O que vale, para algumas situações na vida, não é dar a martelada, e sim saber onde bater o martelo. A martelada em si podemos delegar para outro.

E é por (querer) ignorar isto que a atitude mais comum é subestimar certos tipos de trabalho, que são trivialmente avaliados pelo tempo de duração.

No mundo dos negócios, todos são pagos em duas moedas: dinheiro e experiência. agarre a experiência primeiro, o dinheiro virá depois.


Autor Desconhecido

 

Clique no botão para voltar